terça-feira, novembro 07, 2006

rápido como um banho frio

pimeiro lava-se o sexo. como se a assepsia do pensamento dependesse do fluido e não da fluidez. deixa-se, depois, que a água escorregue pelo corpo, porque não há outro caminho a fazer, mas o corpo não corresponde e surge a máxima: "banho, logo hesito".
tremula, suspende no ar, derrama no chão. fraca como o pensamento, liquefeita como vermelho que envolve a pele, a matéria chora em silêncio por cuidado.